10.8.04

adolescente

“A tarde cinza é uma elegia,
nas alamedas do meu jardim
felicidade, quem diria?
Que te fosses cedo assim...” (Talvez seja de Raimundo Correia, não sei. Alguém sabe?)

não tenho medo de sonhar.
quero a felicidade
com a ânsia indômita
de um adolescente.
quero a felicidade.
nem que seja para
num momento espesso
reconhecê-la na penumbra
descer com ela cordilheiras de vidro
gotejando lavas de brasa e mel
quero a felicidade
como a carta com lábios de batom
que repousa, sonhadora,
no colo de uma adolescente
quero-a, felicidade!
em versos, diversos
na métrica incerta
e rimas dispersas,
mas quero-a!
Eterna-mente...